Conheça melhor o seu remédio: Fampyra

A Esclerose Múltipla (EM) afeta o sistema nervoso central (SNC), mas exatamente por que isso acontece não é claro. No SNC, as fibras nervosas são circundadas por mielina, que as protege. A mielina também ajuda os nervos a conduzir sinais elétricos com rapidez e eficiência.

Na EM, a bainha de mielina desaparece em múltiplas áreas, deixando a cicatriz ou esclerose. Então, esclerose múltipla significa “tecido cicatricial em múltiplas áreas”. As áreas onde não há mielina ou falta de mielina são chamadas de placas ou lesões. À medida que as lesões pioram, as fibras nervosas podem se romper ou ficar danificadas. Como resultado, os impulsos elétricos do cérebro não fluem suavemente para o nervo alvo.

Quando não há mielina, as fibras não podem conduzir os impulsos elétricos. As mensagens do cérebro para os músculos não podem ser transmitidas. Assim, os movimentos dos pacientes com esclerose múltipla passam a ficar comprometidos. É nessa área que busca atuar o Fampyra.

O que você precisa saber sobre seu medicamento

A esclerose múltipla (EM) é uma doença neurodegenerativa gravemente debilitante marcada por desmielinização progressiva e degeneração axonal no SNC. Embora a inflamação seja a principal patologia da EM, o mecanismo pelo qual ela ocorre não é completamente claro.

Os principais sintomas da EM são as dificuldades de movimento causadas pelo bloqueio de condução resultante da desmielinização dos axônios. Acredita-se que o possível mecanismo de perda funcional seja a exposição dos canais de potássio e o aumento da corrente de saída levando a falhas de condução.

A 4-aminopiridina (4-AP) ou fampridina, um conhecido bloqueador dos canais de potássio, demonstrou melhorar a condução nos axônios lesionados e desmielinizados.

Assim, estudos clínicos conduzidos em diversas partes do mundo têm fornecido evidências dos benefícios terapêuticos da fampridina, princípio ativo do Fampyra, sugerindo melhora das funções motoras nas pessoas com esclerose múltipla.

Mecanismos de ação

A esclerose múltipla é uma doença inflamatória e neurodegenerativa crônica do sistema nervoso central, de causa desconhecida, em que o comprometimento neurológico e a incapacidade resultam de desmielinização e perda axonal. Fisiologicamente, a perda de mielina leva a alterações nos canais iônicos axonais que causam falha na condução.

A perda axonal leva a uma redução na força do sinal nas vias neuronais. A fampridina (4-aminopiridina), presente no Fampyra, é um bloqueador dos canais de potássio que pode aumentar a duração e a amplitude do potencial de ação, levando a uma melhor condução nas fibras nervosas desmielinizadas e ao aumento da liberação de neurotransmissores nas terminações sinápticas.

O tratamento com fampridina pode melhorar a deambulação em alguns pacientes com EM, mas também pode causar convulsões e outros efeitos colaterais. Estudos farmacocinéticos mostram que a melhora dos déficits neurológicos está relacionada principalmente à dose total de fampridina, enquanto a indução de crises está relacionada aos níveis séricos de pico.

Procure seu médico, saiba mais

 

Mudanças no estilo de vida e o uso dos medicamentos certos certamente ajudam a controlar os sintoma da esclerose múltipla. Leia atentamente a bula de seus medicamentos antes de usá-los e sempre conte de perto com seu médico para encontrar o tratamento mais indicado para você.